Três soluções inovadoras para transformar o mundo

Ambiente de gala dos prêmios, da grande final da primeira edição dos Prêmios Fundación MAPFRE à Inovação Social, celebrada no dia 17 de outubro em Madri. Nove projetos procedentes de Espanha, Áustria, Chile, México e Brasil, três por cada uma das categorias convocadas: Melhoria da saúde e tecnologia digital (e-Health), Inovação seguradora (Insurtech) e Mobilidade e segurança viária.

TEXTO: RAMÓN OLIVER   IMAGENS: MÁXIMO GARCÍA

A entrega de prêmios desta primeira edição foi o resultado de nove meses de trabalho das três sedes (Cidade do México, São Paulo e Madri), com um total de 462 projetos procedentes de mais de uma dezena de países. Uma cifra que, como assinalou Antonio Huertas, presidente da Fundación MAPFRE, superou as expetativas de seus organizadores. «Estes prêmios nasceram como resultado da conjunção de dois elementos. Atualmente, os jovens têm a inquietude de criar e de contribuir com mais valor à sociedade que as gerações anteriores. Além disso, o compromisso, compartilhado pela Fundación MAPFRE desde sua origem, de tentar encontrar soluções eficazes para resolver problemas específicos e melhorar a qualidade de vida das pessoas», disse Huertas. É que o mundo avança a uma velocidade vertiginosa. A cada dia surgem novas realidades que geram novos problemas. Situações nas que a inovação e a tecnologia têm muito que ver. «Em vez de dramatizar os problemas, podemos tentar dar a volta e transformá-los em parte da solução», sugeriu José María Gómez, CEO e fundador da Scoobic, um dos projetos premiados.

Mas, nenhum projeto de inovação social tem futuro se descuida sua dimensão operacional. Estes prêmios não apenas reconhecem as boas ideias e melhores intenções. Um dos critérios principais para avaliar os projetos é sua viabilidade do ponto de vista técnico, econômico e organizacional. A habilidade de seus promotores para defendê-los em público, por exemplo, apresentação a potenciais investidores, também é um elemento muito importante. Outro dos ganhadores da noite, o mexicano Miguel Duhalt, da 4UNO, assegurou que é possível gerar impacto social e também impacto econômico. «Em nosso caso, conseguimos obter financiamento de um banco e mesmo que ainda não é possível, em breve esperamos poder devolver lucro aos nossos investidores, pois nosso produto é rentável». Na mesma linha, o também premiado Salva Gutiérrez, de Mjn Neuroserveis , indicou que «todo projeto que pretenda ter impacto social precisa também gerar um impacto econômico. Os dois aspetos devem ir unidos. Porque se a ideia não é sustentável e não gera rendimentos que permitam continuar crescendo, se acabou. Um projeto de empreendimento não pode viver sempre de subvenções». A Fundación MAPFRE apoia e promove esta dimensão pragmática que deve acompanhar toda iniciativa de inovação social. Para isso, além dos 30.000 euros de verba financeira recebidos por cada um dos três ganhadores, os 27 semifinalistas desta primeira edição receberam um importante apoio em forma de programas de mentoring proporcionado pelo IE.

Este prêmio não pretende apenas reconhecer as boas ideias, mas também aqueles projetos que demonstram sua viabilidade do ponto de vista técnico, econômico e organizacional

A hora da verdade

A capacidade de persuasão dos empreendedores finalistas foi testada durante a jornada, já que a finalidade da gala não foi apenas entregar prêmios, mas também foi uma autêntica apresentação de talentos, na que os finalistas tiveram que defender seus projetos. Primeiro apresentação ao júri e depois, em uma versão «express», ao público em geral. A camaradagem entre os participantes, que compartilharam uma sessão de fotos pela manhã, foi a tônica geral da noite. Muita cumplicidade e companheirismo nesse ambiente de colaboração que carateriza o meio do empreendimento social. Mas isso sim, os colegas e já no vos amigos, quando subiram ao palco defenderam ao máximo seus projetos. Estava em jogo nada menos que ser os primeiros ganhadores dos Prêmios Fundación MAPFRE à Inovação Social, em cada uma de suas três categorias: Melhoria da saúde e tecnologia digital (e-Health), Inovação seguradora (Insurtech) e Mobilidade e Segurança Viária.

Com o apoio de elementos multimídia, cada finalista tinha três minutos (descontados implacavelmente em um relógio visível para todo o auditório) para convencer os presentes de que merecia ser eleito. O público aplaudiu, divertiuse, riu e emocionou-se com a paixão de Simone Mozzilli (Beaba), a habilidade da narração de Salva Gutiérrez (MJN Seras), a eloquência de Camilla Vivallo (Oliber), os argumentos de Miguel Duhalt (4UNO), as soluções tecnológicas de Kristina Tsvetanova (BLITAB), a capacidade de síntese de Diogo Tolezano (Pluvi.on), o impecável castelhano de André Andrade (Zumby), a assertividade de René Espinosa (Lazarillo) e a simpatia de José María Gómez (Scoobic). Grandes ideias que precisam ser apresentadas de forma brilhante, se querem chegar a gerar impacto na sociedade.

Durante toda a gala, foi insistido em que «Todos são ganhadores». Finalmente, foram três os projetos que receberam o reconhecimento do júri e os 30.000 euros destinados a continuar seu desenvolvimento. Como disse Ana Lima, Secretária de Estado de Serviços Sociais, «a inovação tecnológica não tem nada que ver com o futuro, já forma parte do presente. O agradecimento do Governo da Espanha aos profissionais e às entidades que como a MAPFRE alimentam e canalizam as grandes potencialidades do ser humano».

Os ganhadores

Categoria Melhoria da saúde e da tecnologia digital (e-Health)
Mjn Neuroserveis (Espanha)

Entre 70 e 100 milhões de pessoas sofrem epilepsia no mundo, uma doença «estigmatizada, que provoca rejeição e sobre a que existe um enorme desconhecimento», explica um emocionado Salva Gutiérrez, um dos três sócios da Mjn Neuroserveis. Este projeto leva seis anos trabalhando no desenvolvimento de um dispositivo tecnológico que ajude a evitar que um doente de epilepsia sofra um acidente por culpa de uma crise inesperada. O projeto já está na fase de pré-comercialização. «É um auricular capaz de ler os dados cerebrais através do canal auditivo. Essa leitura é combinada com uma série de algoritmos de inteligência artificial que podem passar a um celular e o sistema é capaz de mandar um sinal de aviso de uma crise com um minuto de antecedência», diz Gutiérrez.

«Quem tem epilepsia e seus familiares vivem com o medo permanente de não saber quando será a próxima crise. Queremos eliminar esse medo de suas vidas», diz.Além do valor tecnológico do dispositivo, se algo aprenderam estes empreendedores sociais é que: as pessoas que se interessam por um projeto, não é pela seu sofisticação técnica, mas por como pode ajudar a melhorar a qualidade de vida das pessoas que sofrem com esta doença. «As pessoas não sabem o que é a epilepsia. Não imaginam o que significa ter ansiedade ou sofrer depressão por perder o trabalho ou por não ter amigos. Ou o que é a angústia de uma criança que não quer voltar ao colégio porque no último dia sofreu um ataque na frente de seus colegas de classe». Graças a este Prêmio, esse dispositivo está mais perto de ser uma realidade.

Categoria Inovação seguradora (Insurtech)

4UNO (México)

Algo, aparentemente, tão simples como ser titular de uma conta bancária, ter um cartão de crédito ou ter seguro, não está ao alcance de 2,5 milhões de empregadas domésticas no México. E não por não existir produtos financeiros para este segmento de população, mas devido à ausência de um canal de distribuição adequado. Criar esse canal é o objetivo da 4UNO. Depois da gala, Miguel Duhalt, um dos fundadores do projeto, falou para nossa revista. «A inclusão financeira é a ferramenta mais poderosa para tirar as pessoas da pobreza. Levamos estes produtos a um coletivo muito grande e vulnerável como é o das empregadas domésticas. Mais de 90% destas pessoas são mães de família que ganham um salário de 300 dólares ao mês e que não podem poupar porque não têm acesso a este tipo de serviços».

A disruptiva solução a este problema da 4UNO está tanto na tecnologia como nas pessoas. «O sistema funciona com um APP e são os empregadores destas pessoas quem devem facilizar o acesso aos serviços financeiros e de proteção, através de uma cota de menos de 5 dólares ao mês. Deste modo, o empregador passa a ser o embaixador da inclusão financeira de sua empregada, ambos ficam protegidos e seu vínculo pessoal é fortalecido». A difusão através das redes sociais está facilitando o sucesso de um sistema que já conseguiu que pela primeira vez, 3.000 crianças mexicanas tenham cobertura médica. E com este prêmio recebido, muitas mais pessoas poderão ter proteção.

Categoria Mobilidade e segurança viária

Scoobic (Espanha)

«Há alguns anos atrás, o desafio tecnológico era levar a Internet a todas as casas. Agora, o desafio é levar tudo o que compramos através da Internet a casa», conta José María Gómez, CEO e fundador da Scoobic. Fazer isso de modo limpo, sustentável e que inclusive ajude a salvar vidas é o ambicioso desafio desta solução de mobilidade urbana, que combina a rapidez de uma moto com a capacidade de carga de uma van. A Scoobic foi desenvolvida pela Passion Motorbike Factory, um grupo de«engenheiros sociais», empenhados em dar um giro de 360 graus ao problema dos engarrafamentos ou da poluição urbana.

Gómez conta que a chave está em desenhar veículos para as pessoas. «O transporte de mercadorias pela cidade não pode ser evitado. Mas, podemos fazer com que seja algo positivo para a cidade. Se conseguimos que esses veículos limpem o ar, absorvendo as partículas de carbono e tornando a cidade um lugar mais habitável e saudável, então o transporte passa a ser um aliado». Em um aliado e inclusive em um herói. A Scoobic quer equipar seus veículos com desfibriladores, de forma que: se um usuário está perto de alguém que está sofrendo um infarto, através de um APP pode geolocalizar a Scoobic mais próxima e enviar uma mensagem de socorro. «O motorista deixa imediatamente de entregar os pacotes e leva o desfibrilador. Nesse dia, o cliente receberá tarde seu pedido, mas salvamos uma vida e isso vale a pena».