TEXTO: MARTA LÓPEZ IMÁGENES: ISTOCK

Reality, uma denúncia ao sofrimento de crianças que vivem em países em guerra

A Save the Children realizou, dentro da comemoração de seu centenário e de sua campanha global ‘Não à Guerra Contra a Infância’,o curta-metragem Reality. Esta é uma continuação de Histórias Para Não Dormir, protagonizado por Lydia Bosch e Dani Rovira. Com este projeto, a organização quer envolver o espectador na defesa da infância que sofre com bombas e tiros em primeira pessoa. Seu objetivo é melhorar as legislações estatais e internacionais para proteger as crianças que vivem em países em guerra.

“Atualmente, no mundo, 420 milhões de crianças vivem em áreas de conflito armado. Devemos sentir empatia se quisermos acabar com essa dor. Nunca antes houve tantas crianças vítimas de guerras. Elas precisam urgentemente de nós”, assegurou Andrés Conde, diretor geral da Save the Children.

Por esse motivo, a Save the Children quer, com esta campanha, dar voz aos meninos e meninas que atualmente sofrem com os estragos dos conflitos armados.  Além disso, a organização voltou a pedir aos Estados que não vendam armas para as partes envolvidas em conflitos armados quando as crianças passem a ser alvos bélicos. Em 2017, milhares de crianças foram deixadas sozinhas ou foram separadas de suas famílias como resultado de conflitos armados, e muitas delas mostraram ter grande resiliência e um grande poder de recuperação desde que recebessem o apoio adequado.

Para ver o curta-metragem, você pode acessar o site de Save the Children: https://www.savethechildren.es/

Drones para plantar árvores

O mundo perde mais de 7 hectares de floresta por ano, cerca de 27 campos de futebol por minuto, de acordo com o WWF. As árvores são essenciais para armazenar as emissões de gases de efeito estufa, filtrar o ar e a água, nutrir o solo, fornecer alimentos e abrigo e fomentar os ecossistemas.

Por isso, a empresa britânica BioCarbon já está utilizando drones para plantar sementes de árvores em áreas devastadas e, de acordo com a empresa, poderão chegar a plantar um bilhão de árvores por ano. Um número que, sem dúvida, ajudaria a compensar o ritmo do desmatamento industrial hoje em dia.

A lâmina que reutiliza garrafas de plástico

As mudanças climáticas e os índices de poluição cada vez mais preocupantes nos obrigam a aumentar nossa capacidade de reciclar ou reutilizar a imensa quantidade de plástico que jogamos nos aterros sanitários ou no mar. Este utensílio, criado por uma nova empresa sediada na França, é chamado Plastic Bottle Cutter e se trata de uma lâmina que converte as garrafas de plástico em tiras de vários metros de comprimento. Não é a reciclagem clássica, porque ainda temos plástico, mas é upcycle, uma reutilização criativa. As tiras de plástico resultantes são tão duras que são capazes de arrastar um carro sem romper. Se você as aquecer, elas derreterão, podendo ser utilizadas para colar madeira ou outros materiais. Elas podem ser usadas até para fins decorativos.

Produzir água em condições extremas já é possível

Enrique Veiga é o criador da máquina capaz de produzir 3.000 litros de água potável por dia, mesmo nas condições mais extremas, no meio do deserto. Esta máquina pode aliviar a falta de água em situações extremas, como campos de refugiados e após desastres naturais, com água livre de contaminantes.

Seu funcionamento é muito simples: captura a água dissolvida na atmosfera e provoca sua condensação. O resultado são gotas de água que caem a quase 30°C e uma umidade relativa de 17%. Graças aos filtros incorporados, ela pode ser potabilizada e armazenada em um tanque já pronta para consumo.

O governo da Namíbia, um país com sérios problemas de seca, encomendou a fabricação de 1.500 unidades.