Nós te apresentamos ações simples com gestos concretos
que também permitem mudar o mundo.

Negros de pele branca

Em alguns países do continente africano, onde as taxas de albinismo são superiores ao resto do mundo, as crianças nascidas com essa mutação são perseguidas como portadoras do azar, chegando inclusive a ser mutiladas e assassinadas para espantar sua influência maligna. Na Tanzânia, a fundação de Josephat Torner, um ativista que leva mais de uma década dedicado a esse problema, tenta sensibilizar compatriotas e estrangeiros sobre a gravidade dessas práticas que levam muitos pequenos a viverem isolados da sociedade, reclusos em acampamentos.

Como contribuição à causa, a holandesa Marinka Masséus fez uma série de imagens que intitulou Sob o mesmo sol, um trabalho que procura conscientizar sobre essa situação e pelo qual recebeu o prêmio ao melhor fotógrafo do ano dos International Photography Awards.
Mais imagens: web de Marinka Masséus.


A ONG dos cremes e produtos de limpeza

Leticia López-Cotelo implementou a Acompartir, uma organização solidária que dá uma segunda vida, solidária, aos não vendáveis, todos estes artigos não alimentícios: produtos de higiene, limpeza, utensílios domésticos, papelaria, eletrodomésticos, entre outros, que, por diferentes motivos —fim de estoque, problemas na embalagem, mudanças de séries—, não podem ter saída no mercado.

Natural de Madri, com 29 anos, formada em Administração de Empresas, ela fornece a 223 ONGs os excedentes de muitos fabricantes e distribuidores. Quando as ONGs fazem seus pedidos, estas têm que fazer uma pequena 0 contribuição a Acompartir, que nunca é superior a 5% do valor dos artigos que solicitaram. Desde a sua criação em 2013, a entidade recuperou mais de sete milhões de não vendáveis.

Para mais informações: www.acompartir.es.


Geladeiras solidárias

Compartilhar o alimento em lugar de jogá-lo fora. É o objetivo de Meet ze Chef, uma plataforma gastronômica antidesperdício criada por Laurence Kerjean, que começou a funcionar na França, onde 35% da comida é jogada no lixo. O objetivo dessa iniciativa consiste em dar a oportunidade de compartilhar a comida em lugar de jogá-la no lixo. Desse modo, estudantes, aposentados ou qualquer um que tenha fome ou que tenha dificuldades financeiras ao longo do mês pode se inscrever no site e, por intermédio de geolocalização, detectar o prato sobrante mais próximo e passar para buscá-lo.

Também funciona da maneira contrária. A pessoa que tenha cozinhado uma quantidade exacerbada pode fazer uma foto, subi-la à plataforma e esperar que alguém apareça. A maior parte dos intercâmbios é gratuita. Podese
cobrar, mas nunca mais de um euro.

www.facebook.com/MeetZEChef


O pé de 50 dólares

A prótese mais barata do mundo é fabricada em uma clínica de Jaipur, na Índia. É, sem dúvida, um lugar de peregrinação para vítimas de acidentes ou de poliomielite e leprosos sem recursos que sonham em voltar a andar. Para eles, é grátis. A sede da organização Bhagwan Mahaveer Viklang Sahayata Samiti (BMVSS) em Jaipur, capital do Rajastão, recebe mutilados de toda a Índia com poucos recursos e muitas esperanças. Nessa clínica, não somente se devolve a mobilidade às pessoas, devolve-se também a sua dignidade.

Só no ano passado, morreram na Índia 146.000 pessoas e outras 500.000 ficaram feridas em meio milhão de acidentes de trânsito. Ou seja: 1.300 colisões a cada dia

O sucesso desta prótese, conhecida como o Pé de Jaipur, com forma de pé, não de sapato, deve-se a que se ajusta perfeitamente às condições da Índia. É feita de borracha, um material barato e abundante nesse país. Desde 1975 até hoje, a BMVSS criou 513.800 próteses, 410.000 calibradores de pólio e outros milhares de corretores para diferentes anomalias nas extremidades. Leprosos, amputados por acidentes de trabalho ou de trânsito, pessoas com as pernas atrofiadas pela poliomielite ou pacientes com doenças congênitas recuperaram a sua vida graças a essas pernas ortopédicas. Só no ano passado, morreram na Índia 146.000 pessoas e outras 500.000 ficaram feridas em meio milhão de acidentes de trânsito. Ou seja: 1.300 colisões a cada dia.  Informe-se.