Os Prêmios Fundación MAPFRE à Inovação Social é uma oportunidade para descobrir projetos capazes de transformar o mundo em relação à saúde digital, à mobilidade e ao próprio setor de seguros. A inovação social é fundamental para acelerar a solução dos problemas do século XXI.

TEXTO: ANTONIO HUERTAS, presidente da Fundación MAPFRE

 

Se você tem um projeto inovador, uma ideia que você acredite que pode revolucionar o mundo e ajudar a sociedade a superar suas dificuldades, essa é a sua oportunidade. A Fundación MAPFRE quer ajudá-lo a desenvolver e transformar o seu projeto em realidade. Buscamos iniciativas que possam transformar três aspectos essenciais para a sociedade: a saúde, a mobilidade e a segurança viária e os seguros.

Vivemos em um mundo em constante mudança, cuja transformação está sendo estimulada pela digitalização, que exige capacidades econômicas e tecnológicas que não estão ao alcance de todas as regiões do mundo, nem sequer a todas as pessoas que vivem em uma mesma região. A brecha digital está acelerando as diferenças e nós da Fundación MAPFRE, sempre preocupados com os grupos mais desfavorecidos, queremos contribuir para promover novas soluções sociais que respondam às crescentes necessidades que a digitalização está gerando e, sem dúvida, também aos problemas que estão sendo originados com o aumento da desigualdade. Esta é a razão pela qual os Prêmios Fundación MAPFRE à Inovação Social são uma prioridade na agenda de instituições como a nossa.

Nesta primeira edição, promovida junto à uma ótima parceira de jornada, que é a IE Business School, queremos conhecer tendências de mudanças, abrir novos mercados, físicos e digitais, e contribuir para o desenvolvimento de ecossistemas de inovação social onde estejam conectados todos os stakeholders, que são a chave  da resolução dos problemas da sociedade.

Durante os próximos meses, a Fundación estará presente nos principais centros e laboratórios de inovação social para apresentar os Prêmios e alcançar candidaturas poderosas para cada uma das categorias. Buscamos ideias, abordagens, dinâmicas e modelos disruptivos que se transformem em soluções úteis para melhorar a mobilidade e a segurança viária (mobility), a saúde (e-health) e os seguros (insurtech).

No campo da saúde, por exemplo, as regras do jogo estão mudando e os desafios são inimagináveis. Buscamos uma medicina conectada, através da qual a casa se tornará o hospital mais comum para muitas patologias. Para os ambientes urbanos, a eficiência será obtida através do gerenciamento das questões básicas relacionadas à saúde como, por exemplo, através de consultas por vídeo. Mas esse desenvolvimento urbano também abre a porta para uma medicina de alta qualidade em muitas áreas remotas do planeta, onde não se pode pagar pelo acesso à medicina tradicional. A mobilidade que conhecemos hoje também mudará, já está mudando. Precisamos projetar, entender e nos adaptar a um novo ambiente conectado onde os veículos serão protagonistas, mas continuarão a transportar pessoas que, por sua vez, continuarão a ser pedestres ou ciclistas. Toda essa realidade deve ser organizada e gerenciada para que possa adaptar-se à sociedade, e não o contrário, sempre que possível.

“Vivemos em um mundo em constante mudança, cuja transformação está sendo estimulada pela digitalização, que exige capacidades econômicas e tecnológicas que não estão ao alcance de todas as regiões do mundo”

Nas regiões mais desiguais do planeta, o desafio é maior. Para fechar essas lacunas de desigualdade, não precisamos apenas de mais e melhores soluções, precisamos, acima de tudo, de soluções novas e diferentes. Já existem países na América Latina que estão implementando metodologias inovadoras de educação financeira, como ferramentas que superam o microcrédito e que permitem que uma pequena organização local obtenha fundos da comunidade, que são distribuídos dentro de um mesmo grupo sob a forma de crédito, poupança e investimento para financiar suas necessidades.

Juntamente à esta edição, criamos um Got Talent de inovação, que será usado para contribuir com o desenvolvimento de produtos e serviços que atendam às necessidades da sociedade, que sejam sustentáveis ao longo do tempo e que tenham o potencial de transformar a cultura de uma comunidade ou até mesmo de uma cidade completa. Buscamos GameChangers, pessoas com iniciativas e sensibilidade social que transmitam paixão, ambição e compromisso e que estejam desenvolvendo projetos e estratégias voltadas à transformação de seu ambiente, construindo uma sociedade melhor e impactando positivamente no mundo. Hoje, todos podemos ser agentes de mudança e contribuir para a transformação da nossa sociedade.

Una-se ao objetivo!

  #scalingyourimpact

Um mundo cheio de ideias brilhantes

Londres, São Paulo, Medellín, Berlim e a Cidade do México são algumas das cidades onde se encontram muitos dos centros de referência de inovação social. Trata-se de espaços dedicados ao empreendedorismo, lugares abertos onde incentiva-se a participação e a integração, um aspecto fundamental para estar em contato com os clientes e investidores e implementar propostas, projetos ou startups de impacto social, econômico, urbano, cultural e político. 

Um dos destaques é a fundação UNLTD —www.UnLtd.org.uk— qlançada pelo governo britânico em 2003 com o apoio da Cúpula do G8 em Londres. Esta entidade oferece suporte a mais de mil empreendedores sociais todos os anos através de sua Global Social Entrepreneurship Network (GSEN), presente em 9 países, incluindo a Espanha, onde os inovadores têm acesso à formação, aconselhamento e à uma extensa rede de executivos e filantropos interessados em apoiar projetos de empreendedorismo social. Na capital britânica também são muito ativas a Nesta Impact Investments (www.nesta.org.uk/impact-investments), a UK National Advisory Board on Impact Investing (http://uknabimpactinvesting.org), a Social Enterprise UK (www.socialenterprise.org.uk) e o site oficial do governo britânico  (www.gov.uk/set-up-a-social-enterprise), que explica como criar uma entidade de inovação social e obter financiamento. 

No Brasil, destacam-se dois centros de inovação localizados em São Paulo. O Amani Institute (https://amaniinstitute.org/what-we-do/social-innovation-management), um centro de formação para potenciais inovadores, que permite realizar estágios em países como a Índia e participar do programa Social Innovation Management, que permite combiná-lo com a atividade profissional. Na cidade brasileira, também se destaca o Impact Hub São Paulo, (http://saopaulo.impacthub.com.br), que oferece uma série de conferências e jornadas abertas com empreendedores de alto nível para compartilhar experiências. Na Colômbia, o crescimento que a cidade de Medellín atinge quando se trata de promover a inovação social é impressionante. Destaca-se o centro de inovação social da Agência Nacional para a Superação da Pobreza Extrema (ANSPE) —www.idsocial.co—, que é responsável por apoiar, no campo técnico e financeiro, aos projetos cujo objetivo é fornecer soluções para os problemas das populações mais pobres do país. 

Na Cidade do México, o EGADE Business School, Tecnológico de Monterrey (http://egade.mx/en), se destaca, à medida que desenvolve programas de mestrado e doutorado na área de inovação social com o objetivo de desenvolver líderes empreendedores éticos. Em colaboração com a Comunidade de Negócios Internacionais, desenvolve estágios em empresas, projetos de consultoria e pesquisa aplicada à projetos e serviços para empreendedores. 

Desde 2005, também opera na Espanha outro centro de inovação social, a Fundación Ashoka, fundada nos Estados Unidos em 1981, que trabalha junto às empresas para descobrir o potencial destas de serem agentes de mudança através de seus funcionários e que promove a atitude changemaker através da seleção de pessoas inovadoras que estejam melhorando a vida de milhões de pessoas.