A exposição Bleda y Rosa, que a Fundación MAPFRE apresenta de 26 de maio a 4 de setembro de 2022 no Centro de Fotografia KBr em Barcelona, traça a trajetória desse casal de artistas ao longo de três décadas.

TEXTO: ÁREA DE CULTURA DA FUNDACIÓN MAPFRE IMÁGENES: © BLEDA Y ROSA, VEGAP, BARCELONA, 2022

A exposição abrange os principais eixos discursivos de sua obra, entre os quais se destacam a dialética entre paisagem e território, entre história e memória, entre imagem e texto. Esses interesses foram abordados por Bleda y Rosa por meio de pesquisas realizadas ao longo de suas carreiras e foram formalizados em projetos seriados.

Vista de la exposición
Vistas da exposição Bleda y Rosa em KBr Fundación MAPFRE Barcelona

A partir de uma abordagem que entende o espaço expositivo como um lugar de ensaio e reflexão, nesta ocasião os artistas optaram por apresentar seu trabalho como uma videoinstalação site-specific, ou seja, como uma mostra projetada especificamente para o espaço que a abriga. Nesta proposta expositiva, o objeto fotográfico desaparece e as projeções convidam a vivenciar sua obra com outros ritmos de contemplação, bem como a descobrir novas associações entre as imagens que compõem cada série. Uma montagem desta natureza permite-nos apreciar e aprofundar o importante significado visual e discursivo de sua prática artística, e abre novas opções de análise dos diferentes temas presentes em sua obra.

Mandíbula de Sitges
Bleda y Rosa
Mandíbula de Sitges. Sitges, 2005.
Serie Origen, en proceso desde 2003

As videoinstalações, que projetam imagens de todas as suas séries: Campos de Futebol, Campos de Batalha, Cidades (1997-2000), Estâncias (2001-2006), Tipologias (em andamento desde 2007), Memoriais (2005-2010), Origem (em andamento desde 2003), Corporações (2006-atual) e Prontuário (2010-2017), às vezes são acompanhadas de textos ou legendas (que foram incluídos pela primeira vez em Campos de Batalha), em sua maioria concisos — não sendo o caso de Prontuário, onde o texto que acompanha as imagens é mais longo, para citar apenas um dos exemplos—, inseridos dentro do espaço da imagem. Esses textos quase sempre provocam uma ruptura com a cena apresentada. O objetivo é que muitos aspectos da prática fotográfica que são tidos como certos possam ser repensados; que o espectador questione sobre as imagens mentais adquiridas, e é também uma forma de se posicionar em um lugar dentro do discurso historiográfico artístico da tradição documental, à qual os artistas pertencem. Nesta tradição documental e no meio fotográfico em geral, uma das características mais marcantes é a ideia de imediatismo, a captura daquele «momento decisivo» que eterniza um momento que nunca mais vai se repetir. Além disso, a imagem fotográfica tem sido tradicionalmente considerada como algo incontestável, ou seja, o que acontece na cena de fato ocorreu, nos diz que sim. No entanto, uma das características das imagens de Bleda y Rosa é sua lentidão. O dinamismo se contrapõe ao trabalho de pesquisa preliminar realizado por este casal de artistas antes de tirar uma fotografia, como se tivessem a necessidade de capturar lentamente um motivo, talvez, com a ideia de narrar um passado – através de uma série de imagens – que corre o risco de desaparecer se o limitarmos a um único significado.

Bunker Hill, 17 de junio de 1775
Bleda y Rosa
Bunker Hill, 17 de junio de 1775. Boston, Massachusetts, 2014.
Serie Campos de batalla, 1994-2016

Mas, sem dúvida, dois dos aspectos mais relevantes na obra de Bleda y Rosa, como já mencionado, são a paisagem e a história, que por sua vez se ligam à memória e ao território.

O termo «paisagem» sempre foi discutido e analisado sob diferentes pontos de vista, uma vez que a sua compreensão não é inequívoca, já que é um conceito que se refere tanto a uma realidade material como à sua representação. A concepção da paisagem depende de quem a olha, da sua construção cultural ou social, o que significa que, desde os anos 1970, a dificuldade em delimitar o seu significado tornou-se cada vez mais evidente. Não é o mesmo falar desse termo do ponto de vista da geografia que do ponto de vista da arte. Nem de quem trabalha no campo, mas de quem vai visitá-lo e de quem só passa por ele. A partir desse ponto de vista, em que o termo está cheio de significados de diferentes âmbitos sobre os quais não é mais possível pensar isoladamente, é desse ponto de vista que Bleda y Rosa trabalham desde o início.

Australopithecus afarensis
Bleda y Rosa
Australopithecus afarensis. Depresión de Afar, 2018.
Serie Origen, en proceso desde 2003

A paisagem como sedimento da história e, portanto, como território e lugar onde mora a memória é a verdadeira protagonista das obras de Bleda y Rosa, que partem do questionamento do relato histórico como algo incontestável e inequívoco para criar a possibilidade de gerar novas leituras. Os artistas oferecem assim a oportunidade de reconstruir um passado que muitas vezes aceitamos como verdadeiro, quando na maioria das vezes é uma imposição criada por diferentes gerações ao longo do tempo. Com suas imagens, os autores abrem diferentes brechas por onde podem passar outros modos de ver, outros modos de lembrar e conceber o passado fora dos cânones e instituições estabelecidos. Nesse sentido, sua obra remete ao Anjo da História de Walter Benjamin, que olhava para trás e contemplava uma história (perdoem a redundância) que não avançava rumo ao progresso, mas estava completamente em ruínas, e que só tinha a esperança de poder ser reconstruída talvez com um resultado diferente.

Cerca de Almansa, 25 de abril de 1707
Bleda y Rosa
Cerca de Almansa, 25 de abril de 1707. Almansa, 1994.
Serie Campos de batalla, 1994-2016

Em 2008, Bleda y Rosa foram premiados com o Prêmio Nacional de Fotografia, e os seus projetos têm sido amplamente apresentados em diferentes exposições individuais, entre as quais se destacam: Musée d’Art Moderne de Collioure (2001), Kunsthalle zu Kiel (2003), Espai ZERO1 de Olot (2005), Centro Galego de Arte Contemporânea (2006), Real Jardim Botânico de Madrid (2010), Bombas Gens Centre d’Art (2017) e Museu Universidad de Navarra (2018). Também participaram do festival Le Printemps de Septembre em Toulouse, no Rencontres d’Arles e da Manifesta, bienal nômade europeia.

Além disso, sua obra faz parte de inúmeras coleções de arte públicas e privadas, como as do Museu Nacional Centro de Arte Rainha Sofía, Fundación La Caixa, Banco de Espanha, Fonds National d’Art Contemporain de Francia, Coleção Banco Espírito Santo de Portugal e Fundación MAPFRE.

Große Hamburger Straße
Bleda y Rosa
Große Hamburger Straße. Scheunenviertel, 2005.
Serie Memoriales, 2005-2010
Palacio de Verano
Bleda y Rosa
Palacio de Verano. Pekín, 2005.
Serie Estancias, 2001-2006
Colecciones Fundación MAPFRE
Alcoba junto al Patio del Cuarto Dorado.
Bleda y Rosa
Alcoba junto al Patio del Cuarto Dorado. Alhambra de Granada, 2005.
Serie Estancias, 2001-2006
Colecciones Fundación MAPFRE
Torre de San Daniel
Bleda y Rosa
Torre de San Daniel.
Serie Prontuario. Notas en torno a la Guerra y la Revolución, 2011-2013
Expedición Botánica.
Bleda y Rosa
Expedición Botánica. Real Jardín Botánico, Madrid, España, 2016.
Serie Prontuario. El Continente y el Viento, 2010-2017
Arte y Vocabulario de la Lengua Achagua
Bleda y Rosa
Arte y Vocabulario de la Lengua Achagua. Biblioteca Nacional de Colombia, Bogotá, Colombia, 2016.
Serie Prontuario. El continente y el Viento, 2010-2017